APROCAN - Manifesto em repúdio ao Jornalista Paulo Santana

 

 

À direção da RBS

Prezados,

O respeito por todas as formas de vida deveria ser um dos primeiros mandamentos de uma sociedade que se quer por minimamente civilizada.

Sendo assim, vem os abaixo-assinados manifestar o seu repudio ao Sr. Paulo Santana, empregado dessa empresa, que sistematicamente, usando de sensacionalismo, de inverdades e de preconceito, vem fazendo uma convocação ao extermínio e aos maus-tratos aos cães da raça pitbull.

O referido articulista já fez isso quando do episódio de Capão da Canoa, com a coluna “Cães Assassinos”, onde promoveu um show de desinformação e preconceitos contra esses animais.

Recebeu em contrapartida uma enxurrada de contestações, as quais, tendo irritado-o, visto ser ele uma pessoa de uma personalidade desequilibrada (já demonstrou isso mais de uma vez na TV) e megalômano assumido, que não admite o contraditório (Já mais de uma vez humilhou no ar colegas seus do Sala de Redação), voltou a atacar, dessa vez utilizando-se de palavras de baixo nível para destratar seus contraditores. Chamou-os de imbecis, néscios, idiotas e por aí afora.

O próprio jornal ZH fez uma reportagem sobre a raça pitbull em uma edição dominical, que restabeleceu a verdade e o equilíbrio, desmentindo e provando que vários dos argumentos que o Sr. Santana utilizou eram falácias e apelativos, baseados tão somente em seu notório preconceito e ignorância.

Agora, quando do assassinato da cadela pitbull da UFRGS ele superou-se, abraçando de imediato a tese mentirosa do vigilante que disse que a cadela veio correndo em velocidade em sua direção para mordê-lo.

Detalhes:

1-     A cadela mal caminhava, devido a um defeito em uma perna traseira, quem dirá correr;

2-   Ela foi executada com um tiro certeiro na cabeça. Todos sabem que acertar um cão em velocidade para atacar um alvo é uma tarefa quase impossível, até mesmo para experimentados atiradores de elite (ainda mais na cabeça o que aumenta essa dificuldade quase ao nível do impossível), quem dirá para um mal-preparado vigilante;

3-  Testemunhas (totalmente desconsideradas pelo colunista, que em um show de anti-jornalismo, apenas com o intuito mau-caráter
de exprimir o seu ódio e sua posição de dono da verdade abraçou a descabida versão do assassino), declararam que o animal apenas chegou próximo ao vigilante, tanto que este teve tempo de sacar a arma, encostar na cabeça do animal e disparar covardemente;

4-  Isso explica como ele conseguiu atingir em cheio a cabeça da pobre cadela, o que, se fossemos abraçar a tese ridícula do assassino de que ela teria corrido até ele (como, se não podia correr ?), ele jamais teria conseguido e por certo, se a cadela quisesse mesmo atacá-lo, teria atacado e mordido, com arma e tudo;

5-  O articulista, não contente, como boquirroto e irresponsável que é, de uma forma sensacionalista e demagógica, ainda ofereceu-se como testemunha de algo que não presenciou. É ou não um caso de desequilíbrio mental ?

Já há desrespeito demais para com os animais, não precisamos que um articulista (Que dá sinais claros de fim de carreira),  de uma empresa que se quer por democrática e séria, venha a proferir absurdos e preconceitos, incitando à população ao linchamento e ao pânico.

Sendo assim, o que tínhamos, solicitamos que essa empresa tome alguma medida contra esse senhor,  pois se à imprensa é facultado o direito à livre expressão, esse mesmo direito não pode transcender a tênue linha da responsabilidade e da ética jornalística, as quais, há muito tempo, deixaram de figurar na agenda do Sr. Santana.

Como todo nosso repúdio, assinamos abaixo
:
www.aprocan.com
Presidente - Eliane Tavares


Aprocan - Associação de Proteção aos Animais de Canoas    Contactar o autor da petição

Assine esta Petição


OU

Irá receber um email com uma ligação para confirmar a sua assinatura. Para se assegurar de que recebe os nossos emails, por favor, adicione o info@peticao24.com à sua lista de contactos ou à lista de remetentes seguros.

Publicidade Paga

Anunciaremos esta petição a 3000 pessoas.

Facebook