sumarélivre

Com todo respeito ao problema habitacional, que não é exclusivo do município de Sumaré, e com todo respeito às pessoas que adquiriram seus imóveis inocente e honestamente, este manifesto convoca os cidadãos sumareenses a expressarem seu repúdio à invasão de propriedade alheia (para posteriormente se jogar a responsabilidade ao poder público), à atos de protestos inconsequentes e inconvenientes e à consequente degradação urbana proporcionada pelos índices baixíssimos de infra-estrutura, o que acarreta, comprovadamente, por meio de fatos divulgados pela Secretaria de Segurança, altos índices de violência e criminalidade.

Pelo supra exposto, os cidadãos sumareenses defendem o fim da invasão ao terreno da Soma, do qual famílias aguardam há décadas para receberem aquilo que lhes é de direito, porém, estão momentaneamente impossibilitadas devido à esse problema. Os cidadãos sumareenses defendem que o migrante faça sua adesão aos programas habitacionais do município e aguarde a sua vez, assim como à todos é disponibilizado, por uma questão de justiça, uma vez que muitos cidadãos sumareenses ainda habitam em área de risco aguardando sua vez, e ainda não foram contemplados. Portanto, enquanto isso, que o migrante pague aluguel, assim como TODOS.

E principalmente, os cidadãos sumareenses defendem que à ninguém cabe o direito de tomar a propriedade de ninguém e, após isso, ainda receba qualquer tipo de privilégio, apenas para não fazer mais protestos.

O cidadão sumareense deseja uma cidade digna e livre.


Cidadãos Sumareenses    Contactar o autor da petição

Assine esta Petição

Preencha o formulário abaixo para assinar esta petição criada por Cidadãos Sumareenses. O autor da petição terá acesso a toda a informação que fornecer neste formulário.


OU

Irá receber um email com uma ligação para confirmar a sua assinatura. Para se assegurar de que recebe os nossos emails, por favor, adicione o info@peticao24.com à sua lista de contactos ou à lista de remetentes seguros.

Publicidade Paga

Anunciaremos esta petição a 3000 pessoas.

Facebook